domingo, 3 de julho de 2016

Pra Viver Melhor





"Pra viver melhor...
Não se preocupe, se ocupe.
Ocupe seu tempo, ocupe seu espaço, ocupe sua mente.
Não se desespere, espere.
Espere a poeira baixar, espere o tempo passar, espere a raiva desmanchar.
Não se indisponha, disponha.
Disponha boas palavras, disponha boas vibrações, disponha sempre.
Não se canse, descanse.
Descanse sua mente, descanse suas pernas, descanse de tudo.
Não menospreze, preze.
Preze por qualidade, preze por valores, preze por virtudes.
Não se incomode, acomode
Acomode seu corpo, acomode seu espírito, acomode sua vida.
Não desconfie, confie.
Confie no seu sexto sentido, confie em você, confie em Deus.
Não se torture, ature.
Ature com paciência, ature com resignação, ature com tolerância.
Não pressione, impressione.
Impressione pela humildade, impressione pela simplicidade, impressione pela elegância.
Não crie discórdia, crie concórdia.
Concórdia entre nações, concórdia entre pessoas, concórdia pessoal.
Não maltrate, trate bem.
Trate bem as pessoas, trate bem os animais, trate bem o planeta.
Não se sobrecarregue, recarregue.
Recarregue suas forças, recarregue sua coragem, recarregue sua esperança.
Não atrapalhe, trabalhe.
Trabalhe sua humanidade, trabalhe suas frustrações, trabalhe suas virtudes.
Não conspire, inspire.
Inspire pessoas, inspire talentos, inspire saúde.
Não se apavore, ore.
Ore a Deus, ore aos santos, ore às forças e às energias.
Somente assim viveremos dias melhores.
Então não perca tempo, aproveite seu tempo!"

Autor: Bruno Pitanga
Médico - Neurocientista
Doutor em neuroimunologia, professor universitário, palestrante e espiritualista.




quinta-feira, 7 de abril de 2016

Sonhos

Fonte: Edna Campos. 2015

Somos como os pescadores vamos navegando por estrada VIDA em busca de melhores momentos.

Fonte: Edna Campos 2015

 Nossos sonhos não realizados vão ficando pelo caminho e sendo substituído por outros, Mas nos restam as boas lembranças.

terça-feira, 1 de março de 2016

Limites - Os pais mais bobos e inseguros da história


                                                            Fonte: Edna Campos.2015

Somos as primeiras gerações de pais decididos a não repetir com os filhos os erros de nossos progenitores. E com o esforço de abolir os abusos do passado, somos os pais mais dedicados e compreensivos, mas, por outro lado, os mais bobos e inseguros que já houve na história.
O grave é que estamos lidando com crianças mais "espertas", ousadas, agressivas e mais poderosas do que nunca.
Parece que, em nossa tentativa de sermos os pais que queríamos ter, passamos de um extremo ao outro. Assim, somos a última geração de filhos que obedeceram a seus pais e a primeira geração de pais que obedecem a seus filhos...
Os últimos que tivemos medo dos pais e os primeiros que tememos os filhos. Os últimos que cresceram sob o mando dos pais e os primeiros que vivem sob o jugo dos filhos. E o que é pior, os últimos que respeitamos nossos pais e os primeiros que aceitamos (às vezes sem escolha...) que nossos filhos nos faltem com o respeito.
Na medida em que o permissível substituiu o autoritarismo, os termos das relações familiares mudaram de forma radical, para o bem e para o mal. Com efeito, antes se consideravam bons pais aqueles cujos filhos se comportavam bem, obedeciam a suas ordens e os tratavam com o devido respeito. E bons filhos, as crianças que eram formais e veneravam seus pais.
Mas, à medida que as fronteiras hierárquicas entre nós e nossos filhos foram se desvanecendo, hoje, os bons pais são aqueles que conseguem que seus filhos os amem, ainda que pouco os respeitem. E são os filhos quem, agora, esperam respeito de seus pais, pretendendo de tal maneira que respeitem as suas idéias, seus gostos, suas preferências e sua forma de agir e viver. E, além disso, os patrocinem no que necessitarem para tal fim.
Quer dizer; os papéis se inverteram, e agora são os pais quem tem que agradar a seus filhos para ganhá-los e não o inverso, como no passado. Isto explica o esforço que fazem hoje tantos pais e mães para serem os melhores amigos e "dar tudo" a seus filhos. Dizem que os extremos se atraem.
Se o autoritarismo do passado encheu os filhos de medo de seus pais, a debilidade do presente os preenche de medo e menosprezo ao nos ver tão débeis e perdidos como eles.
Os filhos precisam perceber que, durante a infância, estamos à frente de suas vidas, como líderes capazes de sujeitá-los quando não os podemos conter, e de guiá-los enquanto não sabem para onde vão. Se o autoritarismo suplanta, o permissível sufoca.
Apenas uma atitude firme, respeitosa, lhes permitirá confiar em nossa idoneidade para governar suas vidas enquanto forem menores, porque vamos à frente liderando-os e não atrás, carregando-os, e rendidos à sua vontade.
É assim que evitaremos que as novas gerações se afoguem no descontrole e tédio no  qual está afundando uma sociedade que parece ir à deriva, sem parâmetros nem destino.

Os limites abrigam o indivíduo. Com amor ilimitado e profundo respeito.

Monica Monasterio


terça-feira, 5 de janeiro de 2016

METADE





segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

O MELHOR PRESENTE É SEMPRE O AMOR

 Fonte: Edna Campos

“Um clima de sonho se espalha no ar
Pessoas se olham com brilho no olhar
A gente já sente chegando o Natal
É tempo de amor, todo mundo é igual

Os velhos amigos irão se abraçar
Os desconhecidos irão se falar
E quem for criança vai olhar pro céu
Fazendo pedido pro velho Noel

Se a gente é capaz de espalhar alegria
Se a gente é capaz de toda essa magia
Eu tenho certeza que a gente podia
Fazer com que fosse Natal todo dia

Se a gente é capaz de espalhar alegria
Se a gente é capaz de toda essa magia
Eu tenho certeza que a gente podia
Fazer com que fosse Natal todo dia

Um jeito mais manso de ser e falar
Mais calma, mais tempo pra gente se dar
Me diz porque só no Natal é assim
Que bom se ele nunca tivesse mais fim

Que o Natal comece no seu coração
Que seja pra todos, sem ter distinção
Um gesto, um sorriso, um abraço, o que for
O melhor presente é sempre o amor”

Roupa Nova

domingo, 15 de março de 2015

segunda-feira, 9 de março de 2015

Alegria











“A alegria não chega apenas no encontro do achado, mas faz parte do


 processo da busca.


 E ensinar e aprender não pode dar-se fora da procura, fora da boniteza e da

alegria.”


                                                             Paulo Freire




Se não posso transformar o mundo venho tentando transformar minha vida.

Poderia fazer tricô, crochê, freqüentar igreja todos os dias, Mas preferir buscar a cultura da chamada elite. O mundo acadêmico é uma paixão que não pude ter no tempo certo da vida.

Se isto se chama loucura, sonho utopia não sei.Mas sei que estou participando do momento social atual onde a inclusão de todas as classes é a palavra de ordem.

E hoje vivendo a emoção de frequentar uma universidade pública por aprovação do sistema de seleção ENEM!

O primeiro passo foi dado.

Edna Campos

 

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Sonhos





Que saudades estou deste espaço. Coisa gostosa é  passear pelos blogs.É como visitar a casa de um amigo querido e tomar um chá.
Mas no momento há uma ausência em mim, não sei se tristeza , cansaço ou que nome tem. 
Preciso sair deste momento , mas o tempo é o senhor da sabedoria ele me dirá.
Abraços, beijos. 
Edna Campos.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Feliz Natal




“Natal é a demonstração de carinho e afeto em família. 
O perdão sendo penetrado nos corações e divulgado em palavras.
O sorriso junto do abraço fraterno, que cura.
A alma lavada e a esperança restaurada.
A fé que alcança os sonhos.
A vitória que vence o medo.
Paz que faz a alma mais leve.
O céu que se une ao mar.
O tempo da felicidade sem espera.
Natal, nada mais é, do que o conceito comum de que um dia unidos, somos fortes, irmãos, fraternos, sinceros e eternizados em corações alheios.
A sorte da vida é ter momentos assim, porque mesmo na terra, conhecemos a imensidão do céu, ainda que seja por alguns momentos.
E só de viver esse momento, a vida já tem outro significado.”


V. Ávila 

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Ao Amor Antigo.



O amor antigo vive de si mesmo,
não de cultivo alheio ou de presença.
Nada exige nem pede. Nada espera,
mas do destino vão nega a sentença.
O amor antigo tem raízes fundas,
feitas de sofrimento e de beleza.
Por aquelas mergulha no infinito,
e por estas suplanta a natureza.
Se em toda parte o tempo desmorona
aquilo que foi grande e deslumbrante,
a antigo amor, porém, nunca fenece
e a cada dia surge mais amante.
Mais ardente, mas pobre de esperança.
Mais triste? Não. Ele venceu a dor,
e resplandece no seu canto obscuro,
tanto mais velho quanto mais amor.

Carlos Drummond de Andrade