sábado, 29 de dezembro de 2012




De repente num momento fugaz,
os fogos de artifício anunciam
que o ano novo está presente
e o ano velho ficou para trás.

De repente, num instante fugaz,
as taças se cruzam
e o champagne borbulhante anuncia que o ano velho se foi e o ano novo chegou.

De repente, os olhos se cruzam,
as mãos se entrelaçam
e os seres humanos,
num abraço caloroso,
num só pensamento,
exprimem um só desejo
e uma só aspiração:
PAZ e AMOR.

De repente , não importa a nação;
não importa a língua,
não importa a cor,
não importa a origem,
porque sendo humanos e descendentes de um só Pai,
lembramo-nos apenas de um só verbo: AMOR.

De repente, sem mágoa, sem rancor, sem ódio,
cantamos uma só canção,
um só hino:
o da LIBERDADE.

De repente, esquecemos e lembramos do futuro venturoso,
e de como é bom VIVER.
Autor desconhecido
Edna Campos.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012




“Que a felicidade não dependa do tempo,
nem da paisagem, nem da sorte,
nem do dinheiro.
Que ela possa vir com toda
simplicidade, de dentro
para fora,de cada um para
todos.
Que as pessoas saibam falar,
calar, e acima de tudo ouvir.
Que tenham amor ou então
sintam falta de não tê-lo.
Que tenham ideal e medo de perdê-lo.
Que amem ao próximo e respeitem sua dor,
para que tenhamos certeza de que
Ser feliz sem motivo é a mais autêntica forma de felicidade.”
 Carlos Drumond de Andrade.
É Natal e o amor está no ar!
Boas Festas .
Um carinho . Edna Campos

domingo, 25 de novembro de 2012

Confiança instantânea e vida criativa.



A importância da confiança, da força interior
Compreende a relação com o mecanismo de sucesso e sua auto-imagem e vê que isto é um fator vital para qualquer ser humano que se esforça por suas metas e auto satisfação.
Muitos fatores podem ajudá-lo na vida – dinheiro, posição, constituição física, boa sorte.
A luz solar e o ar marítimo podem revigorá-lo; os amigos podem favorecê-lo.
Contudo, seu estilo de vida depende de você, de sua força interior – ou de sua fraqueza interior.
O ambiente certo pode ser agradável.
Mas não é fundamental.
Sua força interior, isto que é  fundamental para vida criativa.
Nunca é cedo demais para trabalhar os poderes emocionais dentro de si mesmo.
Se você tem 21 anos não é muito cedo.
Se você tem 12 anos não muito cedo....
Ao mesmo tempo se você tem  45 anos não é muito velho. E se tem 65 anos também não é muito velho.
Você deve cultivar sua riqueza interna. Deve trabalhar dedicadamente, em seus próprios interesses, para por em destaque em sua mente os sucessos da vida.
Pode ser um trabalho árduo, mas vale a pena.
Esta é a chave que abre o caminho para as experiências de sucesso em seu mundo.
Para a vida criativa, confiança instantânea.

Do livro de:
Maxwell Maltz em: como vencer os sentimentos negativos.

Edna Campos

Final de férias. Muita confiança no próximo período. Um carinho a todos.

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

O melhor amigo



"O melhor amigo do homem
Nosso melhor amigo é nossa auto-imagem. Se ele se vê como um bom sujeito, está no caminho do contentamento, se ele não se vê assim causará sua própria ruína.
Maria, José, Antônia ou João podem ser amigos e talvez um deles seja um amigo valioso, mas seu melhor amigo é a sua auto-imagem.
Outra pessoa pode gostar de você, pode até sair do caminho para ajudá-lo, mas não pode viver por você. Não pode tomar suas decisões, não pode participar de suas alegrias e desgostos, e mais ainda, não pode dar-lhe a capacidade de sucesso ou fracasso, de auto aceitação ou auto rejeição.
Sua auto-imagem pode dar-lhe esta capacidade. Pode dar-lhe o sentido da certeza do que você vive. Se você se vê como uma pessoa agradável, se a figura que você faz de si mesmo é satisfatória, você vive como uma forma maravilhosa de certeza: a convicção de que quando os fatores incontroláveis se virarem contra você e os acontecimentos temporariamente se opuserem  aos seus desejos você conseguirá sustentar-se.
Haverá sempre momentos de adversidade atingindo-o do mundo externo, bem como dúvidas íntimas afligindo-o lá dentro.
A verdadeira prova de sua amizade por si mesmo é quando você se reorganiza  em seu próprio auxílio, quando precisa do amparo consolador  de seu melhor amigo- VOCÊ.'
Maxwell Maltz

Edna Campos

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Nossa Alma


           "A alma é uma coleção de belos quadros adormecidos  os seus rostos envolvidos pela sombra.
 Sua beleza é triste e nostálgica porque, sendo moradores da alma, sonhos, eles não existem do lado de fora.
Vez por outra, entretanto, defrontamo-nos com um rosto (ou será apenas uma voz, ou uma maneira de olhar, ou um jeito da mão...)  que, sem razões, faz a bela cena acordar.
 E somos possuídos pela certeza de que este rosto que os olhos contemplam é o mesmo que, no quadro, está escondido pela sombra.
O corpo estremece. Está apaixonado.
Acontece, entretanto, que não existe coisa alguma que seja do tamanho do nosso amor.
 A nossa fome de beleza é grande demais.
Cedo ou tarde descobrirá que o rosto não é aquele.
 E a bela cena retornará à sua condição de sonho impossível da alma.
 E só restará a ela alimentar-se da nostalgia que rosto algum poderá satisfazer..."
Rubem Alves
                                                 Edna Campos

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Esta foto deslumbrante é do Mirante do Gunga Em Alagoas.Um lugar paradisíaco.
Meus amigos. Ando sumida, Mas estou estudando! Um carinho grande pra vocês. Bjs.

domingo, 23 de setembro de 2012

FÁBULA DA CONVIVÊNCIA




     "Durante uma era glacial, muito remota, quando parte do globo terrestre esteve coberto por densas camadas de gelo, muitos animais não resistiram ao frio intenso e morreram indefesos, por não se adaptarem às condições do clima hostil.
 Foi então que uma grande manada de porcos-espinhos, numa tentativa de se proteger e sobreviver; começou a se unir; a juntar-se mais e mais, bem unidos, agasalhavam-se mutuamente, aqueciam-se enfrentando por mais tempo aquele inverno tenebroso. Porém, vida ingrata, os espinhos de cada um começaram a ferir os companheiros mais próximos, justamente aqueles que lhes forneciam mais calor; aquele calor vital questão de vida ou morte.
E afastaram-se, feridos, magoados, sofridos.
Dispersaram-se, por não suportarem mais tempo os espinhos dos seus semelhantes. Doíam muito.
Mas, essa não foi a melhor solução; afastados, separados, logo começaram a morrer congelados..."
"Os que não morreram voltaram a se aproximar; pouco a pouco, com jeito, com precauções, de tal forma que, unidos, cada qual conservava uma certa distância do outro, mínima, mas o suficiente para conviver sem se ferir; para sobreviver sem magoar; sem causar danos recíprocos.
Assim suportaram-se, resistindo à longa era glacial.
Sobreviveram.”

“É fácil trocar palavras, difícil é interpretar os silêncios.
É fácil caminhar lado a lado, difícil é saber como se encontrar.
É fácil beijar o rosto, difícil é chegar ao coração.
É fácil apertar as mãos, difícil é reter o seu calor.
“É fácil sentir o amor, difícil é conter sua torrente.”

Desconheço autoria.
Recebi por email :com nome ,’vida bem vivida”
Edna Campos

terça-feira, 18 de setembro de 2012

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Belo e atual Intertexto


"Primeiro levaram os negros
Mas não me importei com isso
Eu não era negro

Em seguida levaram alguns operários
Mas não me importei com isso
Eu também não era operário

Depois prenderam os miseráveis
Mas não me importei com isso
Porque eu não sou miserável

Depois agarraram uns desempregados
Mas como tenho meu emprego
Também não me importei

Agora estão me levando
Mas já é tarde.
Como eu não me importei com ninguém
Ninguém se importa comigo.'


Bertold Brecht
                           Edna Campos

terça-feira, 4 de setembro de 2012

A felicidade é uma obrigação de mercado


"."Antigamente, a felicidade era uma missão a ser cumprida, a conquista de algo maior que nos coroasse de louros; a felicidade demandava "sacrifício". Olhando os retratos antigos, vemos que a felicidade masculina estava ligada à ideia de "dignidade", vitória de um projeto de poder. Vemos os barbudos do século 19 de nariz empinado, perfis de medalha, tirânicos sobre a mulher e os filhos, ocupados em realizar a "felicidade" da família. Mas, quando eu era criança, via em meus parentes, em minha casa, que a tal felicidade era cortada por uma certa tristeza, quase desejada. Já tinha começado o desgaste das famílias nucleares pelo ritmo da modernidade.
Hoje, a felicidade é uma obrigação de mercado. Ser deprimido não é mais "comercial". A infelicidade de hoje é dissimulada pela alegria obrigatória. É impossível ser feliz como nos anúncios de margarina, é impossível ser sexy como nos comerciais de cerveja. Esta "felicidade" infantil da mídia se dá num mundo cheio de tragédias sem solução, como uma "disneylândia" cercada de homens-bomba.
A felicidade hoje é "não" ver. Felicidade é uma lista de negações. Não ter câncer, não ler jornal, não sofrer pelas desgraças, não olhar os meninos malabaristas no sinal, não ter coração. O mundo está tão sujo e terrível que a proposta que se esconde sob a ideia de felicidade é ser um clone de si mesmo, um androide sem sentimentos.
O mercado demanda uma felicidade dinâmica e incessante, cada vez mais confundida com consumo, como uma "fast-food" da alma. O mundo veloz da internet, do celular, do mercado financeiro nos obriga a uma gincana contra a morte ou velhice, melhor dizendo, contra a obsolescência do produto ou a corrosão dos materiais.A ideia de felicidade é ser desejado. Felicidade é ser consumido, é entrar num circuito comercial de sorrisos e festas e virar um objeto de consumo. Não consigo me enquadrar nos rituais de prazer que vejo nas revistas. Posso ter uma crise de depressão em meio a uma orgia, não tenho o dom da gargalhada infinita, posso broxar no auge de uma bacanal. Fui educado por jesuítas, para quem o sorriso era quase um pecado, a gargalhada um insulto.
Bem - dirão vocês -, resta-nos o amor... Mas, onde anda hoje em dia, esta pulsão chamada "amor"?
O amor não tem mais porto, não tem onde ancorar, não tem mais a família nuclear para se abrigar. O amor ficou pelas ruas, em busca de objeto, esfarrapado, sem rumo. Não temos mais músicas românticas, nem o lento perder-se dentro de "olhos de ressaca", nem o formicida com guaraná. Mas, mesmo assim, continuamos ansiando por uma felicidade impalpável.
Uma das marcas do século 21 é o fim da crença na plenitude, seja no sexo, no amor e na política.
Se isso é um bem ou um mal, não sei. Mas é inevitável. Temos de parar de sofrer romanticamente porque definhou o antigo amor... No entanto, continuamos - amantes ou filósofos - a sonhar como uma volta ao passado que julgávamos que seria harmônico. Temos a nostalgia lírica por alguma coisa que pode voltar atrás. Não volta. Nada volta atrás.
Sem a promessa de eternidade, tudo vira uma aventura. Em vez da felicidade, temos o gozo rápido do sexo ou o longo sofrimento gozoso do amor; só restaram as fortes emoções, a deliciosa dor, as lágrimas, motéis, perdas, retornos, desertos, luzes brilhantes ou mortiças, a chuva, o sol, o nada. O amor hoje é o cultivo da "intensidade" contra a "eternidade". O amor, para ser eterno hoje em dia, paga o preço de ficar irrealizado. A droga não pode parar de fazer efeito e, para isso, a "prise" não pode passar. Aí, a dor vem como prazer, a saudade como excitação, a parte como o todo, o instante como eterno. E, atenção, não falo de "masoquismo"; falo do espírito do tempo.
Há que perder esperanças antigas e talvez celebrar um sonho mais efêmero. É o fim do "happy end", pois na verdade tudo acaba mal na vida. Estamos diante do fim da insuportável felicidade obrigatória. Em tudo.
Não adianta lamentar a impossibilidade do amor. Cada vez mais o parcial, o fortuito é gozoso. Só o parcial nos excita. Temos de parar de sofrer por uma plenitude que nunca alcançamos.
Hoje, há que assumir a incompletude como única possibilidade humana. E achar isso bom. E gozar com isso.
Não há mais "todo"; só partes. O verdadeiro amor total está ficando impossível, como as narrativas romanescas. Não se chega a lugar nenhum porque não há onde chegar. A felicidade não é sair do mundo, como privilegiados seres, como estrelas de cinema, mas é entrar em contato com a trágica substância de tudo, com o não sentido, das galáxias até o orgasmo. Usamos uma máscara sorridente, um disfarce para nos proteger desse abismo. Mas esse abismo é também nossa salvação. A aceitação do incompleto é um chamado à vida.
Temos de ser felizes sem esperança.
Arnaldo Jabor
                                     Edna Campos.

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Nelson Rodrigues




Nelson Rodrigues e sua genialidade.
Edna Campos

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

O DESTINO DO CORAÇÃO



Os olhos foram feitos para ver coisas insólitas,
fez-se a alma para gozar da alegria e do prazer.
O coração foi destinado a embriagar-se
na beleza do amigo ou na aflição da ausência.

A meta do amor é voar até o firmamento, 
a do intelecto, desvendar as leis e o mundo.

Para além das causas estão os mistérios, as maravilhas.

Os olhos ficarão cegos
quando virem que todas as coisas ,são apenas meios para o saber.

O amante, difamado neste mundo
por uma centena de acusações,receberá, no momento da união,
cem títulos e nomes.

Peregrinar nas areias do deserto
nos exige suportar,beber leite de camelo,ser pilhados por beduínos.

Apaixonado, o peregrino beija a Pedra Negra
ansioso por sentir mais uma vez,o toque dos lábios do amigo
e degustar como antes o seu beijo.

Ó alma, não cunhes moedas com o ouro das palavras:
o buscador é aquele que vai,à própria mina de ouro.

Poemas místicos do oriente.

Rami
Edna Campos

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

sábado, 28 de julho de 2012

O tamanho do nosso mundo.




"Um dia uma criança chegou diante de um pensador e perguntou-lhe: 
"Que tamanho tem o universo?". Acariciando a cabeça da criança, ele olhou para o infinito e respondeu:
 "O universo tem o tamanho do seu mundo". 
Perturbada, ela novamente indagou:
 "Que tamanho tem meu mundo?". 
O pensador respondeu: 
"Tem o tamanho dos seus sonhos".


Se seus sonhos são pequenos, sua visão será pequena, suas metas serão limitadas, seus alvos serão diminutos, sua estrada será estreita, sua capacidade de suportar as tormentas será frágil..
 Os sonhos regam a existência com sentido.
 Se seus sonhos são frágeis, sua comida não terá sabor, suas primaveras não terão flores, suas manhãs não terão orvalho, sua emoção não terá romances.
 A presença dos sonhos transforma os miseráveis em reis, faz dos idosos, jovens, e a ausência deles transforma milionários em mendigos faz dos jovens idosos.
 Os sonhos trazem saúde para a emoção, equipam o frágil para ser autor da sua história, fazem os tímidos terem golpes de ousadia e os derrotados serem construtores de oportunidades."


Sonhe!


Augusto Cury

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Loucos e Santos





"Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila. 
Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante. 
A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos. 
Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo. 
Deles não quero resposta, quero meu avesso. 
Que me tragam dúvidas e angústias e agüentem o que há de pior em mim. 
Para isso, só sendo louco. 
Quero os santos, para que não duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças. 
Escolho meus amigos pela alma lavada e pela cara exposta. 
Não quero só o ombro e o colo, quero também sua maior alegria. 
Amigo que não ri junto, não sabe sofrer junto. 
Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade. 
Não quero risos previsíveis, nem choros piedosos. 
Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça. 
Não quero amigos adultos nem chatos. 
Quero-os metade infância e outra metade velhice! 
Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto; e velhos, para que nunca tenham pressa. 
Tenho amigos para saber quem eu sou. 
Pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que "normalidade" é uma ilusão imbecil e estéril."
Oscar Wilde


Felicidades para todos os meus  amigos blogueiros ou não.
Um grande beijo.
Edna Campos.


sexta-feira, 6 de julho de 2012






LUA ADVERSA 


Tenho fases, como a lua 
Fases de andar escondida, 
fases de vir para a rua... 
Perdição da minha vida! 
Perdição da vida minha! 
Tenho fases de ser tua, 
tenho outras de ser sozinha. 


Fases que vão e vêm, 
no secreto calendário 
que um astrólogo arbitrário 
inventou para meu uso. 


E roda a melancolia 
seu interminável fuso! 
Não me encontro com ninguém 
(tenho fases como a lua...) 
No dia de alguém ser meu 
não é dia de eu ser sua... 
E, quando chega esse dia, 
o outro desapareceu...


Cecília Meireles


"A Lua é  que rege as nossas ligações pessoais, no sentido mais amplo, ou seja: nossas emoções. 
A Lua nos dá maior ou menor capacidade de receber o "feedback" do ambiente em que vivemos - decodificar uma multiplicidade de mensagens, verbalizadas ou não, sobre nossa atuação.
Os cancerianos possuem instintos protetores e defensivos bem desenvolvidos, que visam à segurança doméstica e emocional. 
O caranguejo representa a couraça que oculta sua extrema sensibilidade e timidez, bem como vulnerabilidade física e psicológica. 
Normalmente, os cancerianos se protegem da possibilidade de mágoa emocional."


Sou ma canceriana  emocionalmente fiel a tudo que se diz  do  signo e do qual muito me orgulho.
E pela passagem do meu aniversário sinto isto em mais evidência.
07 de julho.
Edna Campos.






quinta-feira, 28 de junho de 2012

VOZ QUE SE CALA



 Amo as pedras, os astros e o luar
 Que beija as ervas do atalho escuro,

Amo as águas de anil e o doce olhar dos animais, divinamente puro.
 Amo a hera que entende a voz do muro

E dos sapos, o brando tilintar
De cristais que se afagam devagar,
 E da minha charneca o rosto duro.

 Amo todos os sonhos que se calam
De corações que sentem e não falam.

Tudo o que é infinito e pequenino!
 Asa que nos protege a todos nós!
Soluço imenso, eterno, que é a voz  do nosso grande e mísero Destino!..."
 "Há uma primavera em cada vida é preciso cantá-la assim florida."

 "Quem disser que pode amar alguém pela vida inteira é porque mente".
 "O meu mundo não é como o dos outros, Quero demais, exijo demais.
 Há em mim uma sede de infinito.
Uma angústia constante que nem eu mesma compreendo, pois estou longe de ser uma pessimista.
 Sou antes uma exaltada, com uma alma intensa, violenta, atormentada.
Uma alma que não se sente bem onde está, que tem saudade... Sei lá de quê!"

 Florbela Espanca

                                                  Edna Campos.

domingo, 24 de junho de 2012

Chegou a hora da fogueira (Lamartine Babo) Chegou a hora da fogueira É noite de São João O céu fica todo iluminado Fica o céu todo estrelado Pintadinho de balão Pensando no caboclo a noite inteira Também fica uma fogueira Dentro do meu coração Quando eu era pequenino De pé no chão Eu cortava papel fino Pra fazer balão E o balão ia subindo Para o azul da imensidão Hoje em dia o meu destino Não vive em paz O balão de papel fino Já não sobe mais O balão da ilusão Levou pedra e foi ao chão.... Mesmo sem balões, fiz,pela primeira vez uma comemoração junina para minha neta que é nordestina. Edna Campos.

quarta-feira, 13 de junho de 2012

A Amargura

A Amargura "Todas as vezes que percebo alguém, não importa quem, com o semblante amargurado, meu coração investiga, porque é algo que me intriga. O amargor que apaga até o sorriso é como aquele intruso que interrompe a energia que ilumina o rosto e inspira desgosto, oposto do bom humor. Amarguras entram pelos olhos, penetram pelos ouvidos e descem ao coração; provocam cicatrizes, criam raízes e almas infelizes espalham espinhos ao redor. O amor desencoraja a mágoa, é como água que esfria o rancor, que arrefece a animosidade, porque, na verdade e de coração, o emoliente que remove a crosta da amargura imposta pelos ressentimentos, chama-se PERDÃO. A amargura é oportunista e, como vírus, adoece e afeta, mas o perdão não se importa com a razão e quem perdoa é que se liberta." Autoria: Edmilson Campos. Meu primo:

sábado, 2 de junho de 2012

Não sou Areia

"Não sou areia onde se desenha um par de asas. Ou grades diante de uma janela. Não sou apenas a pedra que rola nas marés do mundo,em cada praia renascendo outra. Sou a orelha encostada na concha da vida, sou construção e desmoronamento, servo e senhor, e sou mistério. A quatro mãos escrevemos o roteiro para o palco de meu tempo: o meu destino e eu. Nem sempre estamos afinados, nem sempre nos levamos a sério." Lya Luft

sábado, 26 de maio de 2012

O Arco

"O arco é a vida: dele vem toda a energia. A flecha irá partir um dia. O alvo está longe. Mas sua vida permanecerá sempre com você, e é preciso saber cuidá-la. Precisa de períodos de inação – um arco que sempre está armado, em estado de tensão, perde sua potência. Portanto, aceite o repouso para recuperar sua firmeza: assim, quando você esticar a corda, estará com sua força intacta. O arco não tem consciência: ele é um prolongamento da mão e do desejo do arqueiro. Serve para matar ou para meditar. Portanto, seja sempre claro em suas intenções. Um arco tem flexibilidade, mas também tem um limite. Um esforço além da sua capacidade irá quebrá-lo, ou deixar exausta a mão que o segura. Da mesma maneira, não exija mais do seu corpo do que ele pode lhe dar. E entenda que um dia a velhice chegará – e isso é uma benção, e não uma maldição. Para manter com elegância o arco aberto, faça com que cada parte dê apenas o necessário, e não disperse suas energias. Assim, você poderá disparar muitas flechas sem se cansar." Paulo Coelho Por Edna campos

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Não há como parar o tempo.

Marta Medeiros. Edna campos. Clicar na foto para ampliar.

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Gentileza
Marisa Monte Apagaram tudo Pintaram tudo de cinza A palavra no muro Ficou coberta de tinta Apagaram tudo Pintaram tudo de cinza Só ficou no muro Tristeza e tinta fresca Nós que passamos apressados Pelas ruas da cidade Merecemos ler as letras E as palavras de Gentileza Por isso eu pergunto À você no mundo Se é mais inteligente O livro ou a sabedoria O mundo é uma escola A vida é um circo Amor palavra que liberta Já dizia o profeta." “Gentileza gera gentileza!” Essa é a frase mais conhecida de José Datrino, mais conhecido como Profeta Gentileza. A homenagem mais bonita dedicada ao profeta Gentileza, está eternizada nesta música de Marisa Monte. Edna Campos.

terça-feira, 17 de abril de 2012

A metade da laranja


"Fizeram a gente acreditar que amor mesmo, amor pra valer, só acontece uma vez, geralmente antes dos 30 anos.
Não contaram pra nós que amor não é acionado, nem chega com hora marcada.
Fizeram a gente acreditar que cada um de nós é a metade de uma laranja, e que a vida só ganha sentido quando encontramos a outra metade.
Não contaram que já nascemos inteiros, que ninguém em nossa vida merece carregar nas costas a responsabilidade de completar o que nos falta: a gente cresce através da gente mesmo. Se estivermos em boa companhia, é só mais agradável.
Fizeram a gente acreditar numa fórmula chamada "dois em um": duas pessoas pensando igual, agindo igual, que era isso que funcionava.
Não nos contaram que isso tem nome: anulação. Que só sendo indivíduos com personalidade própria é que poderemos ter uma relação saudável.
Fizeram a gente acreditar que casamento é obrigatório e que desejos fora de hora devem ser reprimidos.
Fizeram a gente acreditar que os bonitos e magros são mais amados, que os que transam pouco são confiáveis, e que sempre haverá um chinelo velho para um pé torto. Só não disseram que existe muito mais cabeça torta do que pé torto. Fizeram a gente acreditar que só há uma fórmula de ser feliz, a mesma para todos, e os que escapam dela estão condenados à marginalidade.
Não nos contaram que estas fórmulas dão errado, frustram as pessoas, são alienantes, e que podemos tentar outras alternativas.
Ah, também não contaram que ninguém vai contar isso tudo pra gente.
Cada um vai ter que descobrir sozinho. E aí, quando você estiver muito apaixonado por você mesmo, vai poder ser muito feliz e se apaixonar por alguém."
John Lennon.
Por:
Edna Campos

sábado, 14 de abril de 2012

Como não ter Deus?


Edna Campos

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Feliz Páscoa


Que mais uma vez possamos renovar nossos sentimentos de fraternidade e amor ao próximo!

Feliz Páscoa! E meu carinho .
Edna Campos.

segunda-feira, 26 de março de 2012

Tudo são escolhas...


"O momento que vivemos, os que passamos,e ainda os que
por vir estão.
São coisas que fizemos, por escolha, ou por escolha decidimos deixar de fazer; frutos de uma ação bem pensada, ou de um ato desesperado.
Se ruim, reclamamos, e reclamar também é uma escolha; Se bom, agradecemos, até aqui existe escolhas.

Aquele que ao ver o horizonte vai ao seu encontro abre um leque de opções, escolhas que deverá fazer, e que gerarão frutos, bons ou ruins, mas serão frutos da escolha de sair da imobilidade para o objetivo.

Aquele que se senta na porta de sua casa e deixa o sol passar sobre sua cabeça, assim
escolheu; decerto que a contemplação gera frutos que o ouro não pode comprar, mas um destes frutos é a solidão absoluta.

Escolher, seguir, não retornar, e retornar quando necessário.
Até mesmo depois da escolha feita outra escolha se abre.

Pergunto-me: Onde está a ultima escolha e a porta final?
Será que lá estará a felicidade que tantas línguas professam e
que tanta literatura descreve?
Como disse o sábio: “Só sei que nada sei.”

Pois quanto mais cavo no solo do saber, mais longe me parece o entendimento completo, e até as coisas simples mostram-se
profundamente complexas.

Mas continuar na busca de respostas é uma escolha...

Tudo são escolhas..."
Julio Cesar.

Edna Campos.

sexta-feira, 16 de março de 2012

Se mexer sempre.


Clicar na foto para ampliar.

Queridos amigos e amigas.
Meu sumiço se deve ao fato de estar estudando.
Início de período, muitas novidades acontecendo.
Estou me mexendo.Um grande beijo para todos.
Edna Campos.

quinta-feira, 8 de março de 2012

Feliz dia Internacional da Mulheres



Para todas minhas amigas blogueiras e as mulheres que por aqui passarem.
Que sejamos lembradas e amadas todos os dias.
Edna Campos.

quinta-feira, 1 de março de 2012

MENSAGEM PARA A VIDA,COMEMORE-SE


"Para o mar agitado, uma bóia,
para os andares mais altos uma escada,
para o engessado, um par de muletas,
para a piscina, trampolim,
para a vida plena, motivação.

Motivação é o combustível dos fortes,
daqueles que determinaram a vitória,
seja em que campo for, e não desistem,
mesmo com o sol intenso, com o frio que queima,
mesmo diante da montanha mais alta,
porque sabem que basta seguir em frente,
dar sempre um passo adiante, para vencê-lá.

Por isso, nas pequenas vitórias do dia,
faça uma comemoração interior,
vibre com um abraço sincero,
com um beijo demorado,
com uma nota boa na escola,
com um obrigado bem merecido,
com a esmola bem ofertada,
com a ajuda que você pode dar,
com a esperança que você levou,
com o ombro amigo que pode oferecer.

Vibre, comemore com o nascer do dia,
você acordou e isso significa estar vivo,
Deus ainda acredita em você,
e estar vivo significa poder mudar:
o que estava errado,
o que estava incomodando,
pagar o que estava devendo,
e trabalhar mais um pouco,
para você, para a sua família,
para o mundo, que sem você,
no mínimo, seria menos interessante,
porque você é especial demais,
e só por você estar aqui,
já vibramos com alegria.
Por isso, vibre, comemore-se,
beba um copo de água em sua homenagem,
e siga em frente, que a motivação é VOCÊ!"
Paulo Roberto Gaefke
Edna Campos.

domingo, 26 de fevereiro de 2012

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Sobre a brevidade da vida


"Pequena é a parte da vida que vivemos’ Pois todo restante não é vida, é só tempo.

"Vamos fazer um cálculo da tua existência. Conta quanto deste tempo foi tirado por um credor, uma amante, pelo poder, por um cliente. Quanto tempo foi tirado pelas brigas conjugais,pelo dever das idas e vindas pela cidade.
Acrescenta ainda as doenças causadas pelas nossas próprias mãos e também todo o tempo desperdiçado .
Verás que tem menos anos do que contas?
Quantas vezes o dia transcorreu como o planejado?
Quando usaste teu tempo contigo mesmo?
Quando mantiveste uma boa aparência, o espírito tranqüilo?
Quantas obras fizestes para ti com um tempo tão longo?
Quantos não esbanjaram a tua vida sem que notasses o que estava perdendo?
O quanto da tua existência não foi retirado pelos sofrimentos sem necessidade, tolos contentamentos, paixões ávidas, conversas inúteis, e quão pouco te restou do era teu?
“Compreenderás que morre cedo”
Em questão, viveste como se fosses viver para sempre, nunca te ocorreu a tua fragilidade.
Não te dás conta de quanto tempo já transcorreu?
Como se fosse pleno e abundante o desperdiças e, nesse ínterim, o tempo que dedicas a alguém ou alguma coisa talvez seja teu último dia.
Temes todas as coisas como os mortais, desejas outras tantas como os imortais.
Ouvirás a maioria dizendo: “Aos cinqüenta anos me dedicarei ao ócio.”
“Aos sessenta, ficarei livre de todos os meus encargos”
“Que certeza tens de que há uma vida tão longa?
O que garante que as coisas se darão como dispões?
Não te envergonhes de destinar par ti somente os resquícios da vida e reservar para meditação somente a idade que já não é produtiva?...

Um trecho do livro sobre a brevidade da vida do filósofo e dramaturgo :
Lucio Anneo Sêneca, que, no momento leio
Nos faz pensar no modo como empregamos nosso tempo.
Edna Campos.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

PACIÊNCIA


"Ah! Se vendessem paciência nas farmácias e supermercados... Muita gente iria
gastar boa parte do salário nessa mercadoria tão rara hoje em dia.
Por muito pouco a madame que parece uma "lady" solta palavrões e berros que
lembram as antigas "trabalhadoras do cais"... E o bem comportado executivo?
O "cavalheiro" se transforma numa "besta selvagem" no trânsito que ele mesmo
ajuda a tumultuar...
Os filhos atrapalham, os idosos incomodam, a voz da vizinha é um tormento, o
jeito do chefe é demais para sua cabeça, a esposa virou uma chata, o marido
uma "mala sem alça". Aquela velha amiga uma "alça sem mala", o emprego uma
tortura, a escola uma chatice.
O cinema se arrasta, o teatro nem pensar, até o passeio virou novela.
Outro dia, vi um jovem reclamando que o banco dele pela internet estava
demorando a dar o saldo, eu me lembrei da fila dos bancos e balancei a
cabeça, inconformado...
Vi uma moça abrindo um e-mail com um texto maravilhoso e ela deletou sem
sequer ler o título, dizendo que era longo demais.
Pobres de nós, meninos e meninas sem paciência, sem tempo para a vida, sem
tempo para Deus.
A paciência está em falta no mercado, e pelo jeito, a paciência sintética
dos calmantes está cada vez mais em alta.
Pergunte para alguém, que você saiba que é "ansioso demais" onde ele quer
chegar?
Qual é a finalidade de sua vida?
Surpreenda-se com a falta de metas, com o vago de sua resposta.
E você?
Onde você quer chegar?
Está correndo tanto para quê?
Por quem?
Seu coração vai agüentar?
Se você morrer hoje de infarto agudo do miocárdio o mundo vai parar?
A empresa que você trabalha vai acabar?
As pessoas que você ama vão parar?
Será que você conseguiu ler até aqui?
Respire... Acalme-se...
O mundo está apenas na sua primeira volta e, com certeza, no final do dia
vai completar o seu giro ao redor do sol, com ou sem a sua paciência...

NÃO SOMOS SERES HUMANOS PASSANDO POR UMA EXPERIÊNCIA ESPIRITUAL...

SOMOS SERES ESPIRITUAIS PASSANDO POR UMA EXPERIÊNCIA HUMANA..."

Paulo Roberto Gaefke

Compro meu calmante ao levar minha neta para dar comida aos patinhos.
Edna Campos.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

MANEIRA DE AMAR


"O jardineiro conversava com as flores e elas se habituaram ao diálogo. Passava manhãs contando coisas a uma cravina ou escutando o que lhe confiava um gerânio. O girassol não ia muito com sua cara, ou porque não fosse homem bonito, ou porque os girassóis são orgulhosos de natureza.

Em vão o jardineiro tentava captar-lhe as graças, pois o girassol chegava a voltar-se contra a luz para não ver o rosto que lhe sorria. Era uma situação bastante embaraçosa, que as outras flores não comentavam. Nunca, entretanto, o jardineiro deixou de regar o pé de girassol e de renovar-lhe a terra, na devida ocasião.

O dono do jardim achou que seu empregado perdia muito tempo parado diante dos canteiros, aparentemente não fazendo coisa alguma. E mando-o embora,depois de assinar a carteira de trabalho.

Depois que o jardineiro saiu, as flores ficaram tristes e censuravam-se porque não tinham induzido o girassol a mudar de atitude.
A mais triste de todas era o girassol, que não se conformava com a ausência do homem.
"VOCÊ O TRATAVA MAL, AGORA ESTÁ ARREPENDIDO?" "NÃO, RESPODEU, ESTOU TRISTE PORQUE AGORA NÃO POSSO TRATÁ-LO MAL. É A MINHA MANEIRA DE AMAR, ELE SABIA DISSO, E GOSTAVA".

Carlos Drummond de Andrade

Edna Campos.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Sampa


Sampa
Caetano Veloso
Alguma coisa acontece no meu coração
Que só quando cruza a Ipiranga e a avenida São João
É que quando eu cheguei por aqui eu nada entendi
Da dura poesia concreta de tuas esquinas
Da deselegância discreta de tuas meninas

Ainda não havia para mim Rita Lee
A tua mais completa tradução
Alguma coisa acontece no meu coração
Que só quando cruza a Ipiranga e a avenida São João

Quando eu te encarei frente a frente não vi o meu rosto
Chamei de mau gosto o que vi, de mau gosto, mau gosto
É que Narciso acha feio o que não é espelho
E à mente apavora o que ainda não é mesmo velho
Nada do que não era antes quando não somos mutantes

E foste um difícil começo
Afasto o que não conheço
E quem vende outro sonho feliz de cidade
Aprende depressa a chamar-te de realidade
Porque és o avesso do avesso do avesso do avesso

Do povo oprimido nas filas, nas vilas, favelas
Da força da grana que ergue e destrói coisas belas
Da feia fumaça que sobe, apagando as estrelas
Eu vejo surgir teus poetas de campos, espaços
Tuas oficinas de florestas, teus deuses da chuva

Pan-Américas de Áfricas utópicas, túmulo do samba
Mais possível novo quilombo de Zumbi
E os novos baianos passeiam na tua garoa
E novos baianos te podem curtir numa boa.

Parabéns São Paulo!!!

sábado, 21 de janeiro de 2012

Olhando o jardim alheio


“Daí ao tolo mil inteligências, e ele não quererá senão a tua”, diz o provérbio árabe.
Começamos a plantar o jardim da nossa vida e, quando olhamos para o lado, reparamos que o vizinho está ali, espiando.
Ele é incapaz de fazer qualquer coisa, mas gosta de dar palpites sobre como semeamos nossas ações, plantamos nossos pensamentos, regamos nossas conquistas.
Se dermos atenção ao que ele está dizendo, terminaremos trabalhando para ele, e o jardim de nossa vida será idéia do vizinho.
Terminaremos esquecendo a terra cultivada com tanto suor, fertilizada por tantas bênçãos.
Esqueceremos que cada centímetro de terra tem seus mistérios, e que só a mão paciente de um jardineiro é capaz de decifrar.
Não iremos mais prestar atenção ao sol, a chuva, e as estações, ficaremos apenas concentrados naquela cabeça que nos espia por cima da cerca.

“O tolo que adora dar palpites sobre o nosso jardim, jamais cuida de suas plantas”.

Paulo Coelho.

Edna Campos

sábado, 14 de janeiro de 2012

Coração é terra que ninguém vê


Quis ser um dia, jardineira
de um coração.
Sachei, mondei - nada colhi.
Nasceram espinhos
e nos espinhos me feri.

Quis ser um dia, jardineira
de um coração.
Cavei, plantei.
Na terra ingrata
nada criei.

Semeador da Parábola...
Lancei a boa semente
a gestos largos...
Aves do céu levaram.
Espinhos do chão cobriram.
O resto se perdeu
na terra dura
da ingratidão

Coração é terra que ninguém vê
- diz o ditado.
Plantei, reguei, nada deu, não.
Terra de lagedo, de pedregulho,
- teu coração. Bati na porta de um coração.
Bati. Bati. Nada escutei.
Casa vazia. Porta fechada,
foi que encontrei...

Cora Coralina

Edna Campos.

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Agenda da Felicidade


"Agenda da Felicidade

O Sorriso
É o cartão de visita das pessoas saudáveis.
Distribua-o gentilmente.

O Diálogo

É a ponte que liga as duas margens, do eu ao tu.
Transmite-o bastante.

O Amor
É a melhor música na partitura da vida.
Sem ele, você será um(a) eterno(a) desafinado(a).

A Bondade
É a flor mais atraente do jardim de um coração bem cultivado.
Plante estas flores.

A Alegria
É o perfume gratificante, fruto do dever cumprido.
Esbanje-o, o mundo precisa dele.

A Paz na Consciência
É o melhor travesseiro para o sono da tranqüilidade.
Viva em paz consigo mesmo.

A Fé
É a bússola certa para os navios errantes, incertos, buscando as praias da eternidade.
Utilize-a sempre.

A Esperança
É o vento bom empurrando as velas do nosso barco.
Chame-o para dentro do seu cotidiano.."

Desconheço autoria
Edna Campos.