sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Aninha e suas Pedras


"Não te deixes destruir...
Ajuntando novas pedras
e construindo novos poemas.
Recria tua vida, sempre
Remove pedras e planta roseiras e faz doces.
Recomeça.
Faz da tua vida mesquinha
um poema.
E viverás no coração dos jovens
e na memória das gerações que hão de vir.
Esta fonte é para uso de todos os sedentos.
Toma a tua parte.
Vem a estas páginas
e não entraves seu uso
aos que têm sede."

Cora Coralina (Outubro de 1981)

Edna Campos

16 comentários:

  1. não entraves seu uso
    aos que têm sede."
    oi edna.brigada querida pela visita, amei. bjus terê.

    ResponderExcluir
  2. Minha querida
    Um lindissimo poema de Cora Coralina, que eu adoro.

    Beijinhos com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  3. Cora Coralina era mesmo iluminada!
    Como ninguém, conseguia extrair verdades e belezas, das coisas mais simples da vida.
    Um verdadeiro exemplo!

    Abraço grande prá você, amiga Edna.
    Tenha um excelente final de semana.

    Cid@

    ResponderExcluir
  4. Querida amiga.

    Gostaria de agradecer as preciosas
    palavras deixadas em meu espaço de sentimentos,
    nestes dias tão pesados.
    Sem as amizades a vida perderia
    o sentido.

    Obrigado de coração.

    ResponderExcluir
  5. Meu Deus. Que texto lindo. Vim deixar um abraçao, um beijão e agradecer atenção e carinho.

    ResponderExcluir
  6. Edna,mulheres extraordinárias falam coisas extraordinárias.Parabéns pela escolha porque Cora Coralina soube como ninguém botar no papel seus sentimentos,sua realidade simples,mas de uma riqueza de sabedoria infinita...
    Abraço grande,Bergilde

    ResponderExcluir
  7. LInda e iluminada escolha.Bela semana pra ti!beijos,chica

    ResponderExcluir
  8. Olá menina! :)

    De passagem, prá agradecer todo o carinho que você sempre deixa lá no meu espaço.

    Tenha uma semana de Luz e Paz.

    Beijinhossssssss

    Cid@

    ResponderExcluir
  9. Olá Edna,grata pela tua visita, que é sempre um prazer! Pois é amiga, a União Europeia está muito mal e Portugal está de mal a pior... esta semana colocarei diáriamente um post, no âmbito da minha participação nas jornadas ( Europeias ) de Luta contra a Pobreza e Exclusão Social!

    Relativamente ao teu post, é lindo este poema, e sobretudo revela-nos que existe mais que podemos sempre fazer, por nós e não é baixando os braços,perante a adversidade. A vida tem de ser sempre estimulada, recriada e se conseguirmos beber da fonte dos poetas, tanto melhor! A alma também tem fome e sede.

    Tem uma boa noite amiga.

    Bjs

    Sãozita

    ResponderExcluir
  10. Oi, Edna

    Também adoro a Cora Coralina.
    Obrigada pela visita e volte sempre.

    Bjs no coração!

    Nilce

    PS: Tire essa conferência de palavras do teu moderador, pois não protege nada. Bjs

    ResponderExcluir
  11. Sábia cora coralina, mulher maravilhosa, que marcou sua época e ainda hoje semeia nos canteiros que a recebe, beijos Edna, maravilhosa escolha, fica com Deus linda.

    ResponderExcluir
  12. Edna,você tem uma apurada senibilidade,pois estes versos de Cora Coralina são lindos. Obrigado, por divdi-los conosco.

    ResponderExcluir
  13. Amiga!
    Já que estive mas não deixei comentário.
    Voltei para conhecer melhor este cantinho poético.
    Cora Coralina é seguramente senhora de poderosas palavras.
    Começou a escrever aos quatorze anos de idade e foi / é, seguramente, uma das principais escritoras brasileiras.

    Belíssima escolha.
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  14. Olá de novo amiga!

    Sempre retribuo visitas e palavras doces.
    Obrigada.

    Até breve.

    Amanhã é dia de Sexta na Quinta com os amigos.
    Passe lá.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  15. Precioso e intenso, de una calidad impecable. Un abrazo.

    ResponderExcluir

"Durante nossa vida conhecemos pessoas que vem e ficam.
Outras que vem e passam.
Existem aquelas que vem, ficam e depois se vão.
Mas existem aquelas que vem e se vão com uma enorme vontade ficar."
Charles Chaplin.
Obrigada pelo seu comentário. Bjs.